Pedro Paulo Figueiredo, 66 anos, é motorista de ônibus há mais de 20 anos. Atualmente dirige na linha 6021-10 – Nova Era – Term. Varginha, operada pela Transwolff no extremo sul da zona sul de São Paulo.

Os filhos Reinaldo, 25 anos, Andréa Lucia, 36 anos, e Márcio Lucio, 38 anos, seguiram os passos do pai e se transformaram em motoristas de ônibus. Reinaldo e Márcio trabalham com o pai há 4 anos e meio. Já Andréa dirige há dois anos.

Reinaldo e o pai dirigem o mesmo ônibus. O pai trabalha de manhã e ele a tarde. O mesmo ocorre com Andréa e o irmão. Ela trabalha a tarde e o irmão Márcio de manhã. Eles dirigem na linha 6075-10 – Recanto Campo Belo – Term. Varginha.

“Você nunca vai dirigir este ônibus”, dizia meu pai quando comecei. Hoje ele tem orgulho de mim”, diz feliz Andréa Lucia de Figueiredo, 36 anos, motorista há 1 ano e 4 meses que largou a função de recepcionista para assumir o volante.

Toda vez que se cruzam durante o itinerário: tem toque de farol, uma buzina e até um tchauzinho. Se cruzam cerca de seis vezes por dia. O pai diz estar orgulhoso de os filhos seguirem seus passos. “Ter meus filhos trabalhando comigo é muito prazeroso”, conta Pedro Paulo.

O jovem aprendiz Ruan Gauna Flares, 17 anos, filho do gerente operacional Robson Flares, 34 anos, trabalha na empresa há onze meses. “Trabalhar com meu pai é bom por que compartilha comigo as experiências profissionais do dia a dia. Pai, te amo, você é meu espelho”, elogia.

O auxiliar administrativo do Operacional Jeferson Oliveira Bastos, 21 anos, é filho do motorista Manoel Conceição Bastos, 49 anos. “Ele sempre me instrui de como lidar com as pessoas”, diz.

O auxiliar de páteo Lucas Dias Silva, 19 anos , filho do mecânico Paulo César da Silva, 60 anos. Trabalham juntos há dois anos.

A auxiliar administrativo Anyelle Guimarães Azevedo, 19 anos, filha do Dr. Nivaldo Azevedo, diz ser um prazer enorme trabalhar com o pai. “Meu pai representa pra mim determinação e confiança.

O motorista Valdemir Santos de Santana, 54 anos, é pai do motorista Carlos Henrique Carvalho de Santana, o Caíque, 34 anos, ambos trabalham no mesmo ônibus que roda da linha 6076-10 – Jd. Progresso – Term. Sto. Amaro.

“Meu pai é um exemplo de profissional de homem. Pai, te amo”, elogia.
O agente operacional Odirlei Medeiros pai é do agente de monitoramento Fábio de Jesus Silva, o Fabinho. “Trabalhar com meu pai é tudo bem. Ele é meu espelho e meu herói”, enfatiza Fabinho.